Fábricas da Carolina do Norte (EUA) fecham devido a temores da doença dos legionários (Legionella)

14/08/2015

Tolos e Coberturas retráteis

Fábricas da Carolina do Norte (EUA) fecham devido a temores da doença dos legionários (Legionella)

Fábricas da Carolina do Norte (EUA) fecham devido a temores da doença dos legionários (Legionella)

Uma fábrica farmacêutica na Carolina do Norte fechou nesta terça-feira após a descoberta de bactérias ligadas a doença do legionário, disseram autoridades.

 

Testes de rotina revelaram bactéria Legionella em uma torre de resfriamento na fábrica da GlaxoSmithKline em Zebulon, disse terça-feira a empresa farmacêutica internacional. Disse também que esta torre é uma estrutura independente e que não entra em contato com os produtos fabricados na instalação."

 

Não houve relatos, até agora, que quaisquer medicamentos foram contaminados ou pessoas infectadas com as bactérias. No entanto, os trabalhadores da fábrica "foram mandados para casa e funcionários escalados para apresentar ao trabalho aguardam nova definição", de acordo com a GlaxoSmithKline.

 

Zebulon Mayor Robert S. Matheny foi informado pela primeira vez sobre o problema por e-mail as 2:30h de terça-feira. Ele ressaltou que o sistema de resfriamento da usina usa "água e água não potável recuperada", por isso é relacionado ao abastecimento de água da região.

 

Mas isso não significa que não há risco, visto que as bactérias poderiam contaminar abastecimento de ar da fábrica, ameaçando os trabalhadores e os produtos.

 

"A planta é muito importante para nossa comunidade, por isso estamos preocupados com GlaxoSmithKline", disse Matheny, que lidera a cidade com aproimadamente de 4.500 pessoas a 35 km a leste de Raleigh.

 

"Mas, é claro que a nossa prioridade é a saúde e a segurança de nossa comunidade. E temos a certeza de que tudo está bem com isso."

 

Chris Kelly, um porta-voz da Federal Food and Drug Administration, disse que a "FDA tem conhecimento e está acompanhando a situação na usina Zebulon, NC, Glaxo" no que se refere a questões da empresa.

 

A descoberta vem num momento em que a doença dos legionários tem sido muito noticiada não na Carolina do Norte, mas cerca de 800 km a nordeste de Nova Iorque.

 

Aumenta o número de mortos em Nova Iorque pela doença dos Legionários (Legionella)

 

No sul do Bronx, 113 pessoas contraíram a doença dos Legionários nas últimas semanas. Doze morreram, tudo de quem tinham era "condições médicas deficientes", disse a cidade. A princípio não houve relação imediata entre a usina GlaxoSmithKline com os casos dos Legionários em Nova Iorque.

 

A infecção bacteriana respiratória tem o nome de um surto de 1976 na Filadélfia, em grande parte entre as pessoas que frequentam uma convenção da Legião Americana.

 

A bactéria Legionella vive na água e se ingerida, não há risco de contrair a doença. Ela geralmente se dissemina através de névoa de uma fonte de água, tais como chafarizes, torres de resfriamento, ar condicionado ou chuveiros. O Prefeito de Nova Iorque, determinou a limpeza/higienização de todas as torres de resfriamento da cidade, num prazo máximo de quinze dias. A preocupação é quando há inalação, por meio de névoa, desta bactéria.

Os sintomas da doença dos legionários, tais como febre, calafrios e tosse são facilmente confundida com pneumonia, e 8.000 para 18.000 são hospitalizadas por causa disso a cada ano nos Estados Unidos.

 

À medida que o surto de Nova Iorque mostra que pode ser mortal, especialmente quando se atinge as pessoas suscetíveis a essas doenças. Entre 5% e 30% das pessoas contaminadas morrem, de acordo com os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças.

 

 

fonte: http://edition.cnn.com/2015/08/11/health/nc-drug-manufacturing-factory-legionnaires/index.html

Deixe seu comentário